You have searched the Blog Gestão de Frotas – Tudo sobre Gestão Profissional de Frotas blog archives for 'MAN'. If you are unable to find anything in these search results, you can try one of these links.

Receba já o seu Estudo Grátis


Nome * :
E-mail* :

Torne-se fã

Siga-nos

Preço médio do combustível

Calendário

Setembro 2014
S T Q Q S S D
« Mar    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930  

Search results

AVIS compra 500 veículos eléctricos à Renault

Quinta-feira, Outubro 14, 2010 @ 05:10 PM
admin


A partir do final de 2011, os clientes da AVIS vão poder alugar os modelos Renault Fluence ZE (veículo familiar) e Renault Kangoo Express ZE (comercial ligeiro) em sete países, entre eles Portugal, passando a frota da Avis a incluir 500 veículos elétricos
. Alemanha, Bélgica, Espanha, França, Itália, e Reino Unido, são os restantes países onde a AVIS vai oferecer aos clientes a oportunidade de conduzirem veículos desta fonte de energia.

“Na AVIS temos o compromisso de oferecer, aos clientes, uma frota variada e a parceria com a Renault, permite alargar a nossa frota que passa a incluir veículos elétricos. Estes veículos vêm diversificar a nossa oferta e apresentam uma alternativa aos veículos de aluguer tradicionais, indo ao encontro de todos os clientes que se preocupam com o impacto no ambiente.”, afirmou Pascal Bazin, chefe executivo da AVIS. ” Somos o único construtor europeu de automóveis que está a desenvolver uma gama completa de veículos elétricos a preços acessíveis, onde incluímos as nossas baterias, tecnologia e sistema de produção garantindo assim um alto nível de qualidade e de performance. Ao alugar um veículo eléctrico através da Avis, o público vai poder experienciar uma nova tecnologia de condução e ficar a saber mais sobre os benefícios ambientais dos veículos eléctricos.”, acrescentou Uwe Hochgeschurtz, vice-presidente do departamento de vendas da Renault.

O Kangoo Express ZE e o Fluence ZE foram os primeiros dois modelos de produção de veículos eléctricos revelados pela Renault que, no futuro, vai expandir a sua frota elétrica a dois novos carros, desenhados exclusivamente para esta fonte de energia: o Renault Twizy e o Renault ZOE. Estes veículos elétricos da Renault vêm juntar-se à oferta Eco que a AVIS já oferece. Normalmente cada carro faz parte da frota AVIS durante um período seis meses de forma a garantir a máxima eficiência de combustível. As emissões médias de CO2 dos automóveis adquiridos no ano de 2009 foram de apenas 144.6g CO2/km. A empresa disponibiliza ainda centenas de veículos que funcionam a outros combustíveis além da gasolina ou diesel.

in Frota News

Combustíveis: Preço vai aumentar mais até ao final do ano

Quinta-feira, Outubro 14, 2010 @ 05:10 PM
admin

A subida do IVA pode levar a um agravamento adicional dos preços dos combustíveis, avisam as associações do sector.

As gasolineiras aumentaram os preços dos combustíveis esta semana. Desde o início do ano, os preços do litro da gasolina e do gasóleo em Portugal subiram 7% e 12%, respectivamente. E a tendência é para que os portugueses venham a pagar ainda mais pelos combustíveis.

A previsível subida do IVA para 23% e a perda da ‘almofada’ do euro pode levar a um agravamento adicional dos preços. No entanto, destacam as associações do sector, é difícil antecipar a evolução dos preços por estes estarem dependentes de um extenso e complexo conjunto de factores.

António Comprido, secretário-geral da APETRO, explica que as oscilações nos preços podem prender-se com três factores distintos: os mercados financeiros, “se os fundos de investimento entrarem nas energias, por exemplo, os preços sobem, se saírem, os preços descem”; A procura e a oferta (nível de reservas), “se as reservas baixam, os preços sobem e vice-versa”; e o crescimento económico dos países principais consumidores, “se a economia dos EUA ou da China estiver a melhorar, os preços sobem, por exemplo”.

Já António Mousinho, Presidente da ANTRAM, diz que o mercado da energia “funciona sem ninguém perceber muito bem como se formam os preços. Já apresentámos queixa na CE sobre esta matéria”, salienta o responsável que não fica indiferente aos impostos cobrados. “Há uma cobrança fiscal que é significativa, mas neste momento o Estado português até está a perder receitas porque 10% das empresas transferiram-se para Espanha. Com esta transferência, a maior parte dos postos nas fronteiras fecharam. As nossas empresas não são competitivas”, sublinha. Para este responsável, a entrada em vigor do código contributivo deverá ser mais penalizadora para as empresas do sector.

in Económico

Eduardo Queijo é o novo director ibérico de RH da TNT Expresso

Terça-feira, Outubro 12, 2010 @ 06:10 PM
admin

Eduardo Queijo foi nomeado diretor ibérico de recursos humanos, de qualidade e de responsabilidade social corporativa da TNT Expresso.

Na TNT Portugal desde 2002, Eduardo Queijo era responsável pelo recrutamento e seleção de novos colaboradores, pela definição e implementação das estratégias de recursos humanos da companhia, um cargo que acumulou com responsabilidades de coordenação da Marcha Contra a Fome em Portugal e de gestão de segurança da TNT Expresso em Portugal entre 2003 e 2008.

Antes de ingressar na TNT Expresso, teve experiências profissionais na Propalavra como coordenador comercial e na SDF enquanto Diretor de Recursos Humanos.

Licenciado pelo Instituto Superior de Línguas e Administração, tem ainda uma pós graduação em Management and Business Studies na Warwick Business School. A nomeação de Eduardo Queijo efectivou-se no dia 1 de setembro passando a trabalhar nos escritórios da companhia em Madrid.

in Cargo News

Chuva desmotivou manifestantes no buzinão contra as SCUT

Segunda-feira, Outubro 11, 2010 @ 11:10 AM
admin

A vontade de protestar contra a introdução das Scut (auto-estradas sem custos para o utilizador) do Norte era muita, mas a intensa chuva e o forte vento que se fizeram sentir durante todo o dia de sexta-feira levou a que muitos manifestantes decidissem não sair à rua. Para as 17h00 estavam previstos buzinões na Póvoa de Varzim e no Porto, mas pouco mais de uma dezena de pessoas compareceu em cada local.

“O São Pedro está a chorar pelo comportamento do Governo. Somos poucos, mas esperamos que a nossa mensagem seja ouvida. Nem a chuva nos faz desistir”, disse Valdemar Madureira, porta-voz da Comissão de Utentes do Grande Porto e que se juntou ao buzinão na Via de Cintura Interna (VCI).

Os protestos contra a introdução de portagens nas Scut do Grande Porto, Norte Litoral e Costa de Prata começaram com mais de uma hora de atraso. Só às 18h20, quando a chuva abrandou, é que os carros saíram para a VCI, no Porto. O buzinão praticamente não se fez sentir e durou apenas alguns minutos.

Na Póvoa de Varzim a adesão também foi fraca. Cerca de quinze condutores percorreram a estrada desde o centro da cidade até à Azurara, percurso que deverá ser escolhido por muitas pessoas após a introdução das Scut. “Isto não tem jeito nenhum, tenho de usar muitas vezes a A28 para Viana do Castelo e a pagar portagens vou gastar quase 50 euros por mês”, disse Filipe Faria, um dos condutores envolvidos no protesto.

POUCOS ADEREM A BUZINÃO NA EN125

De megafone na mão e indiferente à chuva, José Domingos incentivava, ontem à tarde, os automobilistas que passavam pela rotunda de Boliqueime (Loulé) a protestar contra as portagens na A22. Ao lado, outros elementos da Comissão de Utentes da Via do Infante distribuíam panfletos a alertar para os custos da medida. Os condutores mostravam-se solidários com a luta, mas apenas poucas dezenas participaram na marcha lenta, acompanhada de buzinão, que se seguiu pela EN125.

“Tivemos pouco tempo para preparar a acção”, explicou João Vasconcelos, porta–voz do movimento, adiantando, no entanto, que a petição on-line lançada há cerca de oito dias contra as portagens já foi subscrita por quase “cinco mil pessoas”. Apesar da pouca adesão, o protesto conseguiu congestionar o troço da EN 125 entre Boliqueime e Alcantarilha. A comissão diz que já está a preparar outras acções de protesto.

Em Viseu, apesar da intensa chuva, mais de uma centena de pessoas participaram no buzinão contra as portagens na A23, A24 e A25. Entre as 18h00 e 19h30, o trânsito esteve um caos e quase parado. “Foi uma boa acção de protesto, é um sinal de que o povo não vai parar a luta”, disse Francisco Almeida, porta-voz da comissão de utentes daquelas vias rápidas. O protesto, que seguiu para a A25, contou com mais de uma dezena de camiões de empresas da região. Na Guarda também se realizou um buzinão mas com pouca adesão.

in Correio da Manhã

Related Posts with Thumbnails